13 de agosto de 2012

A preparação do Rio para as Olimpíadas de 2016

Temos acompanhado que as Olimpíadas têm trazido prejuízos importantes para Londres. Independentemente disso, cabe considerar que eventos como esse têm grande potencial de melhorar a vida das cidades que o recebem, por meio das obras de infra-estrutura realizadas. 

Potencial, sim, mas que para ser efetivado depende de bons projetos e de sua boa execução. Isso aconteceu nos Jogos Olímpicos de Barcelona e Sidney, mas não nos de Atenas e Atlanta, por exemplo. 

 E no Rio? Como a cidade está sendo pensada, para as Olimpíadas de 2016? Tenho acompanhado um pouco do projeto. Acho interessante o projeto de recuperação urbana da zona portuária, de grande potencial para atividades econômicas, de turismo e de lazer do Rio. 

Ainda mais interessante, tenho achado os três imensos corredores de BRTs e vias que estão sendo abertos, os quais devem contribuir para racionalizar bastante as ligações entre as zonas Oeste (Barra da Tijuca), Norte e Centro do Rio, diminuindo o impacto de trânsito que sobrecarrega hoje a zona Sul. 

 Essas e outras obras estão andando com bastante agilidade, algumas – como a demolição do viaduto da zona portuária – até mesmo com antecipação de alguns meses em relação ao cronograma original. E tudo isso vai gerando empregos e movimentando a economia. Veja as principais obras para as Olimpíadas do Rio nos vídeos que seguem: 

 O BRT Transoeste


O BRT TransCarioca 


A via TransOlimpica 


A via TransMetropolitana 


O Porto Maravilha I 


O Porto Maravilha II 


O VLT 


A derrubada da Perimetral 


A Linha 4 do Metrô
 

O Museu do Amanhã 


A Vila Olímpica

 

6 comentários:

  1. Antonio Feitosa Jr.13 de agosto de 2012 18:54

    Fábio, você já viu o site da Rio 2016?
    Se não, segue aqui: http://www.rio2016.org/

    ResponderExcluir
  2. Há legados bons e ruins para as cidades que sediaram Jogos Olímpicos. A PricewaterhouseCoopers fez um estudo sobre isso e constatou as cidades que tiveram superávit com os Jogos e as que tiveram défciit. A de Munique, em 1972, teve défcit, e a de Montreal, também. Isso varia. Vejamos como o Rio vai se comportar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vejamos sim. Os problemas de Montreal são bem conhecidos. O parque olímpico que ficou de legado tem manutenção cara até hoje e é minimamente usado. Virou um parque público, com estrutura de museu e um vivário. Mas caro. Porém, as obras de infra-estrutura urbana foram muito úteis e serviam a cidade durante décadas.

      Excluir
  3. Dois fatos já demonstram que as olimpíadas de 2016 serão um fracasso comercial.

    Primeiro, a conferência Rio+20 ficou seriamente prejudicada pela precariedade da estrutura hoteleira do RJ. Não acredito que muita coisa vai se modificar daqui até 2016.

    Segundo, as olimpíadas de 2012 em Londres estiveram longe de serem um sucesso comercial. Vide estádios vazios. Nunca demais lembrar que isso ocorreu em uma cidade 'internacional', que rotineiramente atende uma demanda de viagens turísticas e econômicas de monta.

    Bem, o Rio de Janeiro fica a milhares de quilômetros dos grandes centros consumidores - EUA, Europa e Ásia. Assim, fica claro que não será fácil atrair uma grande demanda turística para o Rio de Janeiro em 2016.

    Exceto se o governo subsidiar o turismo... Que tal criarem o 'bolsa-turista' em 2016?????

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hotéis sempre serão um problema, quando mais se pensamos que junto com a estrutura hoteleira sempre há o problema da péssima mão de obra empregada, sem treinamento e sem escolaridade.

      Acho a bolsa turismo uma péssima ideia. Mas os estádios brasileiros poderão ficar cheios, se forem abertos aos brasileiros.

      Excluir